A estrutura do trabalho científico

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos da Metodologia Científica. Caxias do Sul: UCS, 1978.

“Em trabalhos científicos a originalidade não está na forma, mas sim no conteúdo” (Castro, 1976, p. 1).

Os trabalhos de pesquisa comportam três partes essenciais interligadas num todo harmônico e equilibrado: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. À parte introdutória cabe a apresentação do que vai ser investigado; ao desenvolvimento cabe a exposição dos testes executados, a análise e a avaliação dos resultados obtidos; à conclusão cabe apontar a relevância do estudo tendo em vista os resultados obtidos.

A – Introdução

O objetivo principal da introdução é situar o leitor no contexto da pesquisa. O leitor deverá perceber claramente o que será analisado, como e porque, as limitações encontradas, o alcance da investigação e suas bases teóricas gerais. Ela tem, acima de tudo, um caráter didático de apresentação, levando-se em conta o leitor a que se destina e a finalidade do trabalho.

Numa introdução consideram-se os seguintes aspectos:

  1. o problema deve ser proposto para o leitor de uma forma clara e precisa. Geralmente é apresentado em forma de enunciado interrogativo, situando a dúvida dentro do contexto atual da ciência ou perante uma dada situação empírica;
  2. os objetivos delimitam a pretensão do alcance da investigação, o que se propõe fazer, que aspectos pretende analisar. Os objetivos podem servir como complemento para a delimitação do problema;
  3. a justificativa destaca a importância do tema abordado tendo em vista o estágio atual da ciência, suas divergências polêmicas ou a contribuição que pretende proporcionar a pesquisa para o problema abordado;
  4. as definições pertinentes à compreensão do problema devem ser explicitadas. Apenas as estritamente necessárias devem ser colocadas;
  5. a metodologia deve esclarecer a forma que foi utilizada na análise do problema proposto. Em Pesquisas descritivas e experimentais coloca-se, de maneira geral, os principais procedimentos e técnicas utilizados para a coleta de dados, de tal forma que o leitor tenha uma visão do roteiro utilizado;
  6. a revisão da literatura proporciona um apanhado geral do que se sabe sobre o assunto investigado. A extensão dessa parte depende principalmente do conhecimento que o leitor poderá ter do assunto e da profundidade do trabalho. Uma revisão da literatura bem feita demonstra o nível de conhecimentos que tem o autor da pesquisa e serve para o leitor avaliar as bases teóricas sobre as quais se processou a investigação;
  7. as hipóteses devem ser colocadas para proporcionar ao leitor que possíveis soluções ou explicações se propõe o autor, mostrando o que a pesquisa pretende testar;
  8. as dificuldades devem ser apresentadas, desde que relevantes.

A introdução, assim como todo o trabalho científico, deve ser formulada numa linguagem simples, clara e sintética, colocando aquilo que é necessário para que o leitor tenha uma ideia objetiva do que vai ser tratado.

B – Desenvolvimento

O desenvolvimento é a demonstração lógica de todo o trabalho de pesquisa. Se forem deixadas de lado a introdução e a conclusão, ele deverá subsistir sozinho. Isso significa que o desenvolvimento retoma o problema inicial da introdução, especificado agora sob a forma de enunciado interrogativo que estabelece as relações entre as variáveis, apresenta o resultado dos testes e faz a avaliação das hipóteses colocando as principais conclusões.

Nos relatórios de pesquisas bibliográficas, o problema é retomado e analisado à luz das informações relevantes colhidas na revisão da literatura. O desenvolvimento, nessas pesquisas, se atém a explicar, discutir e demonstrar a pertinência das teorias na explicação do problema proposto analisando e extraindo conclusões sobre suas deficiências ou qualidades explicativas.

Nos relatórios de pesquisas experimentais ou descritivas, procura-se transformar o problema lançado a um nível teórico na introdução em problema empírico. Para tanto, há a necessidade de se utilizar ou definições constitutivas ou as operacionais, ou então o estratagema dos enunciados básicos.

No desenvolvimento do relatório dessas pesquisas deve-se demonstrar a análise e a avaliação das hipóteses lançadas à luz de algum marco teórico, confrontando-as com o resultado obtido pelos testes de falseabilidade.

As hipóteses, variáveis e suas definições empíricas devem estar claramente evidenciadas, bem como todos os procedimentos relevantes utilizados na testagem, de tal forma que o leitor possa reconstruir mentalmente (ou, se quisesse, empiricamente) como a pesquisa foi feita. Convém não colocar, porém, no desenvolvimento a explicação exaustiva dos métodos e técnicas utilizados, mas apenas sua indicação, ou o resultado do que foi obtido, como é o caso dos testes para avaliar a fidedignidade e a validade dos instrumentos. O desenvolvimento segue uma exposição lógica, utilizando-se dos dados constantes em tabelas ou gráficos para demonstrar a validade ou não das hipóteses.

De acordo com as características do problema, das técnicas utilizadas e do estilo do autor pode-se dividir o desenvolvimento em tantas partes quantas forem necessárias, utilizando-se para isso os capítulos, as seções, as subseções, etc., tendo, porém, o cuidado de não perder a unidade.

C – Conclusão

A conclusão tem também sua estrutura própria. Ela deve retomar o problema inicial lançado na introdução revendo as principais contribuições que trouxe a pesquisa.

A conclusão apresenta o resultado final, global da investigação, avaliando seus pontos fracos ou positivos através da reunião sintética das principais ideias desenvolvidas ou conclusões parciais obtidas. Assim como a introdução, a conclusão não entra nos detalhes operacionais dos conceitos utilizados, mas apenas aborda as conclusões parciais do desenvolvimento interrelacionando-as num todo, tendo em vista o problema inicial.

O cuidado que se deve ter é o de a conclusão nunca extrapolar os resultados do desenvolvimento. O resultado final deve ser decorrência natural do que já foi demonstrado.

Afirmou-se que a ciência não é um todo acabado mas que está em contínua construção. É natural, pois, que a pesquisa não esgote por completo o tema investigado. Convém, então, apontar na conclusão os problemas decorrentes do tema investigado que poderão servir para futuras pesquisas. A conclusão, apesar de ser o fecho de um trabalho de pesquisa, não o é da ciência.

Leitura complementar

O estilo e a expressão

“Antes de estudar os estilos de um trabalho de pesquisa, cumpre fazer alguma referência ao problema da própria linguagem. Em primeiro lugar, convém não perder de vista a distinção estabelecida por Heidegger, em estudos recentes, entre a linguagem como instrumento e a linguagem como instauração da realidade. Segundo isto. a linguagem dos poetas é reveladora do ser existente: quando o poeta nomeia – ou dizevidencia a realidade. Esta concepção metafísica da palavra confere à linguagem um valor existencial, de modo tal que, mais do que um instrumento, ela seria uma forma de vida a partir da qual apreendemos o mundo.

“Se, por outra parte, considerarmos a linguagem como um meio de comunicação ou de transmissão de conhecimento, podemos defini-la como um conjunto convencional de sinais, entendendo por sinais as unidades que a compõem. Se conferirmos à palavra ‘unidade’ seu sentido matemático de quantidade convencional, resulta que, conforme o plano linguístico, escolheremos corno unidade adequada a esse nível: em fonética, será o fonema; em sintaxe, a oração, etc. Sob um ponto de vista instrumental, podemos classificar as formas expressivas em: a) linguagem coloquial. que é a linguagem corrente ou discursiva; b) linguagem literária, isto é, a que usamos com fins estéticos, e c) linguagem técnica, que é o sistema de expressão da ciência e da filosofia (Vera, 1973, p. 181-2).

Referências bibliográficas e bibliografia recomendada

  1. CASTRO. C. de Moura. Estrutura e Apresentação de publicação científica. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976.
  2. CERVO, A. L. & BERVIAN, P. A. Metodologia científica. Passo Fundo: Ed. P. Berthier, 1972.
  3. FERRARI, A. T. Metodologia de ciência. 3 ed. Rio de Janeiro: Kennedy, 1974.
  4. LUFT. C. P. Escrito científico: sua estrutura e apresentação. 4 ed. Porto Alegre: Lima, 1974.
  5. REY. L. Como redigir trabalhos científicos. São Paulo: Polígono e Ed. da Universidade de São Paulo, 1972.
  6. REMMEL. F. J. Introdução aos procedimentos de pesquisa em educação. Porto Alegre: Globo, 1972.
  7. SCHRADER. A. Introdução à pesquisa social empírica. Porto Alegre: Globo, Ed. da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1974.
  8. SILVA, Rebeca Peixoto da et alii. Redação técnica. 2 ed. Porto Alegre: Formação, 1975.
  9. VERA. A. Metodologia de pesquisa científica. Porto Alegre: Globo, 1973.

Sobre José Antonio Meira da Rocha

Jornalista, professor de Planejamento Gráfico e Mídias Digitais da Universidade Federal de Santa Maria, campus da cidade de Frederico Westphalen, Rio Grande do Sul, Brasil. Doutorando em Design na UFRGS.